Ambiente desfavorável ao consumo gerou, em 2016, a maior queda das vendas varejistas neste século

Presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, destaca que o último ano foi de grandes dificuldades orçamentárias para lojistas e consumidores e espera por ações governamentais que revertam este panorama


Geral - 22/02/2017
FCDL-RS espera que ocorra a reação das vendas varejistas em 2017
FCDL-RS espera que ocorra a reação das vendas varejistas em 2017 - Créditos: César Moraes
     O contexto econômico nacional claramente hostil ao consumo levou o comércio varejista brasileiro a registrar, em 2016, a sua queda mais expressiva neste século no que se refere a vendas. A retração foi de 6,20% na versão restrita e de 8,70 no enfoque ampliado, que inclui automóveis e material de construção. No Rio Grande do Sul, as vendas restritas caíram 5,40% e as ampliadas 9,70% no ano passado. Este não foi o pior resultado dos últimos anos, situação registrada em 2015, quando ocorreu a combinação da recessão nacional com o impacto negativo da alta do ICMS no estado.
     Para o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul - FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, os dados divulgados pelo IBGE mostram que o último ano foi de extrema dificuldade para a população e para os varejistas. Empresários e cidadãos tiveram que lidar com orçamentos reduzidos e tiveram que tomar medidas extremas para superar um dos períodos mais complicados da história política, econômica e social do Brasil.
     - Por isso, acreditamos que 2017 seja um ano melhor e com resultados mais satisfatórios para todos. É claro que medidas fortes e de impacto psicológico positivo são necessárias para retomar a confiança da população no país. Os vilões que retroalimentam a queda de consumo, como elevadíssimas taxas de juros, impostos elevados e contexto político turbulento precisam ser combatidos intensamente. As taxas de desemprego devem ser reduzidas, a fim de que a inadimplência caia e o orçamento das famílias volte a crescer - destaca Vitor Augusto Koch.
     O presidente da FCDL-RS lembra que os recuos das vendas dos últimos anos fizeram com que a população brasileira recuasse seu padrão de consumo aos patamares existentes em 2010. Por isso, Vitor Koch espera que o governo amplie as medidas anticíclicas que está tomando, ampliando a queda da taxa SELIC e afrouxando o torniquete tributário que aperta a sociedade brasileira. Segundo o dirigente, as dificuldades enfrentadas pelo poder público não são ocasionadas por falta de arrecadação e sim por gastos excessivos e de má qualidade, além dos efeitos da corrupção.
     Os maiores impactos de queda de vendas em 2016 foram sentidos nos ramos de equipamentos e produtos de informática (-22,1%) e de veículos (-22%). São segmentos que dependem, fortemente, do crédito de maior valor, e a elevada taxa SELIC e a inadimplência fizeram com que os agentes financeiros preferissem usar seus recursos para aplicar em títulos públicos, ao invés de financiar o consumo.
     O lado positivo do levantamento do IBGE ficou por conta das vendas de móveis, que tiveram crescimento de 11,30% na comparação com 2015.

[Fonte:   Play Press]
Clique aqui para comentar
Para comentar, você deve estar conectado à uma dessas contas:



Comentários
Os comentários não representam a opinião do Grupo Redesul. A responsabilidade é do autor da mensagem.