Pediatra explica como pais devem reagir às birras dos filhos

De acordo com o médico do Comitê de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do RS, Renato Santos Coelho, o temperamento da criança e a relação familiar influenciam na evolução dos casos


Geral - 23/10/2016
Créditos: Foto/Divulgação
      Choro prolongado, gritos e jogar-se no chão são algumas das atitudes mais comuns em crianças que agem de forma birrenta. Este comportamento pode ocorrer já no primeiro ano de idade, quando a criança começa a não tolerar que as coisas não saiam como ela espera. A explicação é do pediatra do Comitê de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Renato Santos Coelho.
      - Estas atitudes ocorrem, usualmente, até os 3 e 4 anos, quando ela entende que as coisas não ocorrem como ela gostaria ou não é atendida. Então, a criança percebe que ao usar o recurso do choro ou dos gritos, é atendida de imediato ou em mais uma ou duas tentativas, e então passa a agir desta forma - expõe Coelho.
      Além das características citadas acima, também é comum que a criança jogue objetos no chão ou quebre-os, bata portas e tente agredir os pais. Pessoas que cuidam ou geralmente passam algum tempo com a criança também são observados por ela, para saber de que forma agir e utilizar as regras aprendidas.
      De uma maneira geral, todas as crianças passam por esta fase, porém, a maioria não evolui por este caminho, pois os pais corrigem suas atitudes com o tempo. Em alguns casos, o temperamento da criança também influencia na evolução e, claro, a forma como os pais lidam com os filhos também é levada em conta.
      - Outro fator é a questão cultural, onde percebo uma dificuldade bastante prevalente dos pais em assumirem suas posições de autoridade em casa - acrescenta Coelho.
      Em situações críticas, quando a criança age em público de forma birrenta, a orientação do pediatra é que os pais não gritem com ela, nem batam ou tentem convencê-la ou prometer presentes. Também, não se deve ceder, punir e perder o controle. Se a atitude for leve, deve deixá-la sozinha até se acalmar e retornar ao que estava fazendo. Quando a situação for mais severa, os pais devem retirar a criança e levá-la a um lugar mais seguro e calmo. Sem repetir frases como "pare de chorar" ou "se acalme", a orientação é ficar em silêncio até ela se tranquilizar.
      Os pais também devem estabelecer regras claras, com uma lógica que esteja de acordo com a idade da criança. Deve-se limitar as coisas importantes para não tornar o dia cheio de regras ou reprimir em demasia. É importante fazer com que as regras sejam sempre cumpridas, pois a criança logo percebe que nem sempre isto ocorre de fato.
      - Ajude a criança a descobrir soluções, lhe dando alternativas, apoiando a sua decisão e fazendo um reforço positivo quando ela conseguir. Quando tiver que dizer um não, sustente e não demonstre hesitação ou culpa por ser a figura de autoridade. Educar não é ser bonzinho sempre, pois desta forma não estaremos ajudando - aconselha Coelho.
     O pediatra ainda sugere que os pais procurem um meio termo entre delicadeza e firmeza.
Clique aqui para comentar
Para comentar, você deve estar conectado à uma dessas contas:



Comentários
Os comentários não representam a opinião do Grupo Redesul. A responsabilidade é do autor da mensagem.