Conheça a Wish, a empresa de 50 pessoas que esnobou oferta de US$ 10 bi da Amazon

De acordo com site Business Insider, Amazon e Alibaba já realizaram ofertas bilionárias que foram recusadas pelo CEO da empresa


Geral - 17/11/2015
Wish: negócio tem cerca de 100 milhões de usuários e trabalha com mais de 100 mil comerciantes
Wish: negócio tem cerca de 100 milhões de usuários e trabalha com mais de 100 mil comerciantes - Créditos: Peter Szulczewski/LinkedIn
      Talvez você nunca tenha ouvido falar da Wish, uma pequena empresa de e-commerce fundada há cinco anos. Mas os dois maiores colossos do comércio eletrônico global, a Amazon e o Alibaba, já. E inclusive teriam feito propostas de compra com valores surpreendentes, segundo o Business Insider.
      A Wish se destaca por vender produtos baratos e ao mesmo tempo elegantes, valorizando o contato pelas redes sociais (é possível que você já tenha visto seus anúncios em sua timeline do Facebook). A empresa recebe suas mercadorias da China e as revende por um preço relativamente baixo. Assim, já conquistou 100 milhões de usuários.

Pequena grande empresa
      Rumores de mercado contam que no ano passado a Amazon ofereceu cerca de US$ 10 bilhões de dólares para adquirir a companhia, mas a oferta foi recusada por seu dono. De acordo com o Business Insider, a Wish já teria levantado cerca de US$ 600 milhões e foi avaliada em US$ 3 bilhões ou mais por parte dos investidores.
     Seu CEO e fundador, Peter Szulczewski, acredita que a Wish pode alcançar pelo menos US$ 100 bilhões em vendas brutas, e ele já estaria no caminho certo. Fontes disseram que a empresa leva 11% da receita bruta, o que torna possível a empresa possuir uma receita líquida de US$ 1 bilhão, já que, segundo o Linkedin, a Wish possui um quadro de empregados enxuto entre 11 e 50 pessoas.
 
Clique aqui para comentar
Para comentar, você deve estar conectado à uma dessas contas:



Comentários
???? 14/06/2017 19:50
É uma empresa pequena ao mesmo tempo grande a wish parabéns!
Os comentários não representam a opinião do Grupo Redesul. A responsabilidade é do autor da mensagem.